Diário de Bordo

Aqui ficará registado as aventuras e desventuras do meu percurso pelos mares das tecnologias... Foi com este objectivo que iniciei este diário. Hoje é mais do que um blog sobre o estudo das Tecnologias Educativas; é um registo do meu percurso de aprendizagem (de vida), onde as tecnologias continuam a ter importância. Sei que não o teria consigo manter se não fosse o seu formato digital; as interacções que aqui se estabelecem.

terça-feira, outubro 03, 2006

Dia de festa

Comemora-se mais um ano de existência, o segundo, desta escola/unidade reinventada. O tom é, portanto, de festa. Uma festa que é de e para todos os que aqui dão o seu contributo. Convidam-se ALTAS Patentes e individualidades (que os títulos não enganam) para assistir ao evento, fardamo-nos a rigor e preparamo-nos para a cerimónia. Ao chamado acorrem, maioritariamente, os “listados” … que os outros, coitados, impossibilitados, não podem vir e, por isso, ainda bem que hoje não se trabalha; celebra-se!

Enche-se a parada para o desfile, ouvem-se vozes de comando e burburinhos de fundo, também, de um mar de gente que de súbito alegra aquele espaço. Preparado o batalhão, o sossego retorna àquela superfície, agora pintada de branco. Ficam como que adormecidos no tempo; enraizados naquele chão, evidenciando uma serenidade incrível.

Ali plantada, eu e tantos outros, imagino que do lado de fora aquele cenário seja imponente, para logo concluir que estar do lado de dentro do quadro não é seguramente menos curioso. Ao longe consigo distinguir aqueles que trabalham do lado de lá, os convidados que vão chegando e o que se vai passando, à medida que a tribuna vai sendo preenchida. Paralelamente a estas deambulações originadas pelo que vejo, visitam-me outros pensamentos, suscitados por conversas anteriores. Tento evitar os sorrisos… :D manter uma postura séria…

Chegada a minha vez, ordenam-me que avance. Batimento no pé esquerdo e cá vou eu …mas o coração já não salta sobressaltado (!) como nas outras vezes...
A emoção só chega quando a Banda começa a tocar. E então porquê??! Apesar de tudo eu ainda gosto disto!

A resposta chega já à hora do café, quando alguém me pergunta porquê eu outra vez, como que enfadado com a repetição. “Já está farto de me ver?”- perguntei – ao qual balbuciou qualquer coisa que já não ouvi... Foi então que percebi: a automatização de tarefas arrefece sentimentos, retira aquele encantamento inicial característico da descoberta e de novos desafios. Quererá isto dizer que é tempo de mudar?

2 Comentários:

  • Às 1:25 da manhã, outubro 04, 2006 , Blogger sara disse...

    Tareca!!! :-D E os dentes condiziam com a farda!

    Sentei quem de direito...e salvo "promessas" de trocas de cadeiras tudo se sentou onde devia!

    A ti e todos os outros congratulations!

    Mudanças? venham elas...com voz firme e espada em punho!

     
  • Às 11:32 da tarde, outubro 08, 2006 , Anonymous A reserva disse...

    Chegada a minha vez… Já está farto de me ver?
    Porque é que entre tantos e tantas escolhem sempre a mesma (?) para dar nas vistas?
    “Eles… escolhem sempre os, ou as, melhores”
    Será?

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial