Diário de Bordo

Aqui ficará registado as aventuras e desventuras do meu percurso pelos mares das tecnologias... Foi com este objectivo que iniciei este diário. Hoje é mais do que um blog sobre o estudo das Tecnologias Educativas; é um registo do meu percurso de aprendizagem (de vida), onde as tecnologias continuam a ter importância. Sei que não o teria consigo manter se não fosse o seu formato digital; as interacções que aqui se estabelecem.

terça-feira, maio 24, 2005

Desafio II - a todos os que leêm este blog!

Arrisco eu agora a proposta de um segundo desafio:
A selecção de um poema, um texto, uma citação que vos toque bem lá no fundo, com o qual se identifiquem.O desafio fica lançado a todos os que visitam este cantinho. Sim, passou a ser um cantinho muito especial (pelo menos para mim)

Este é aquele que está mais perto do meu estado de espirito do momento.

Pedra Filosofal
Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.

António Gedeão, In Movimento Perpétuo, 1956 (na voz de Manuel Freire)

1 Comentários:

  • Às 4:23 da tarde, maio 29, 2005 , Blogger Prof. Teresa disse...

    Obrigado pela lembrança de tão belo poema. Falas-me tu da minha escrita... tu é que és um encanto e tens de deixar que o percebam. A propósito... já enviaste um certo sms? ;-)
    jokas gordas

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial